sábado, 31 de janeiro de 2009

Minha tataravó, Emma Smith

Minha tataravó, Emma

Emma_Smith

Por Gracia N. Jones "My Great-Great- Grandmother, Emma Hale Smith," Ensign, Aug. 1992, pag. 30

Assim que o Profeta Joseph Smith morreu como um mártir em Carthage, Illinois, alguns Santos dos
Últimos Dias se decepcionaram com a esposa de Joseph, pois Emma não seguiu os
membros da Igreja rumo ao oeste durante o êxodo dos santos em 1846-1847. Emma e
os descendentes de Joseph cresceram separados da Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias. Eu soube pouco dessas coisas, pois nosso ramo da
família estava longe de todo nosso patrimônio Smith. Ao ser criada em uma
fazenda perto de Ronan, Montana, soube que tinha um parente chamado Joseph
Smith, mas não recordo haver escutado a palavra mórmon ou algo que tenha que ver
com o Livro de Mórmon até que fui adulta.Mesmo que a religião organizada não
tenha sido uma parte presente na minha vida, recordo haver desejado no meu
coração ter uma relação com Deus. Quando tinha dezessete anos, nossa família
mudou-se para Conrad, Montana, onde tive a oportunidade de trabalhar com uma
família SUD cuidando de seus filhos. Em agosto de 1955, conheci os missionários,
os élderes James Waldron e Dean Richins, que estavam entusiasmados ao saber de
minha relação com Joseph Smith. Contaram-me sobre a Primeira Visão e me deram um
Livro de Mórmon.O élder Waldron disse, " Esta é uma cópia do Livro de Mórmon.
Qual foi traduzido pelo poder de Deus e por teu tataravô, e é verdadeiro." Ao
receber o livro nas minhas mãos, meu ser inteiro se emocionou com uma plena
convicção que me envolveu: "É verdadeiro! É realmente verdadeiro!" Fui batizada
no dia 17 de março de 1956. Depois da minha conversão, cada vez que os membros
da Igreja sabiam da minha relação com o Profeta, me demonstravam uma gratidão
pela reverência que tinham por ele.Porém, descobri que havia uma atitude
diferente sobre Emma. Um dia, quando estava na sala da Sociedade de Socorro,
notei um quadro com uma mulher de cabelo escuro. Com curiosidade me aproximei
para ver de perto. Na placa estava escrito: -Emma Hale Smith "A dama Escolhida"
Primeira presidente da Sociedade De Socorro-." Estava fascinada ao ver enfim um
quadro da minha tataravó. Pensei, Que linda é! Sentimentos de amor por ela
encheram minha alma. Mas meus pensamentos foram interrompidos quando alguém
atrás de mim disse "Meu marido disse que deveriam tirar o quadro dessa mulher da
parede da Igreja." Surpresa tanto pelo tom como pelas palavras, me afligi e me
perguntei que havia acontecido para que tivessem esse juízo de Emma. Mais tarde,
ao ler o livro "História do Profeta Joseph Smith por sua mãe", encontrei um
tributo de Lucy Mack Smith por Emma: Nunca vi uma mulher na minha vida que
resistisse a qualquer tipo de fadiga e adversidade, mês a mês, e ano a ano, com
essa firme coragem, com esse zelo, e essa paciência, como ela alguma vez o fez;
pois sei quanto ela teve que suportar - ela foi lançada ao oceano da incerteza -
ela foi arrastada por tormentas de perseguição, e suportou a fúria dos homens e
dos diabos, o qual tivesse derrotado quase que a qualquer outra mulher." 1
Comoveu-me profundamente o contraste entre as palavras de amor de alguém que a
conheceu e o juízo de alguém que não o fez. Aprendendo de Emma Depois de trinta
e cinco anos de investigação e muita luta em minha alma, satisfiz minha procura
por compreender o que pode ter provocado as diversas reações a respeito de Emma.
Encontrei na vida de Emma um exemplo de como podemos obter sabedoria que nos
ensina muito com respeito ao amor de nosso Salvador e Redentor Jesus Cristo.
Emma nasceu em 10 de julho de 1804, filha Isaac y Elizabeth Lewis Hale. Os Hales
tinham uma granja e uma pousada perto de Harmony , Pensilvania. Emma eJoseph se
conheceram quando ele se hospedou na pousada de seu pai enquanto trabalhava nos
arredores. Isaac se opôs firmemente a seu cortejo, mas Joseph se declarou a
Emma, e ela preferiu a ele do que a qualquer outro que ela tivesse conhecido e o
aceitou. 2. Casaram-se na casa de Squire Thomas Tarbell em South Bainbridge, New
York, em 18 janeiro de 1827. Quando finalmente Joseph obteve as placas de ouro e
continuou sua missão sendo um instrumento nas mãos de Deus a fim de restaurar o
evangelho. Emma desempenhou as funções de escriba durante os primeiros esforços
para traduzir o Livro de Mórmon. Ela foi batizada em 28 de junho de 1830, pouco
depois da Igreja ser organizada. Em julho de 1830, o Senhor esboçou sua missão,
em uma revelação: "És uma mulher eleita, a quem chamei. O dever do teu chamado
será confortar meu servo Joseph Smith Junior, teu marido, em suas aflições" (D&C
25:3,5. Ela foi também chamada para compilar um hinário para a Igreja, e foi
advertida a continuar "em espírito de mansidão, acautelando-te contra o orgulho"
(D&C 25:11-14). A benção patriarcal de Emma, dada em 9 de dezembro de 1834 pelo
seu sogro, Joseph Smith pai, apresenta informação importante com respeito à
contribuição de Emma na Restauração, tanto o que o Senhor viu em Emma, como o
que lhe prometeu: "Emma, quão bendita sois para o Senhor, por tua fidelidade e
tua veracidade, eis aqui, bendita sois junto com teu marido, assim, regozija-te
pela glória que receberás junto a ele. Tua alma se entristece à causa da maldade
dos homens que buscam a destruição de teu companheiro, e tua alma inteira tem se
voltado em oração por sua liberação; Regozija-te, pois eis aqui que o Senhor teu
Deus, ouviu tua súplica. Eis aqui que estás aflita pela dureza do coração dos da
casa de teu pai, e eis aqui que desejas sua salvação. O Senhor ouvirá tuas
súplicas, e por seus juízos ele causará que alguns deles vejam sua insensatez y
duelem por seus pecados; Assim é que por meio da aflição que chegarão a ser
salvos. Tu viverás muitos dias, com certeza, o Senhor terá piedade de ti até que
tua obra esteja completamente cumprida, sim até que vejas teu Redentor. Teu
coração se regozijará na grande obra do Senhor e ninguém tirará teu gozo.
Eisaqui, recorda a grande condescendência de teu Deus em permitir acompanhar a
meu filho Joseph quando o anjo lhe deu os registro dos Nefitas sob seu cuidado.
Te abençôo com compreensão, e para que tenhas o poder de instruir as de teu
sexo, ensinar-lhes a retidão a tua família, e aos pequenos o caminho da vida, e
os santos anjos velarão por ti e chegarás a ser salva no reino de Deus, assim
seja, amém" 3 Uma mulher ligada ao Pesar Durante o casamento de dezessete anos,
nove filhos nasceram a Joseph e Emma, e além disso adotaram mais dois. As
primeiras três crianças de Emma morreram pouco depois de nascer: Alvin em 1828 e
os gêmeos em 1831. Adotaram outros gêmeos, José e Julia Murdock (nascidos em 1
de maio), cuja mãe, Julia, havia morrido no dia seguinte ao nascimento dos
gêmeos de Emma, deixando um marido aflito, incapaz de cuidar das crianças. O
pequeno José Murdock morreu em março de 1832 como resultado da exposição à
intempérie durante um incidente de violência por parte do populacho. Em novembro
do mesmo ano, Emma deu a luz a um filho saudável, Joseph Smith III. Apesar de
Emma gostar da pequena Julia e de Joseph, ela se lamentava também pelos bebês
perdidos. O Senhor confortou Emma em sua benção patriarcal: "Tu tem visto muito
pesar porque o Senhor a retirado de ti a três de teus filhos. Nisto não foste
culpada, pois Ele conhece teus desejos puros para levantar-te uma família a fim
de que o nome de meu filho Joseph Smith Jr. chegue a ser bendito. E agora, eis
aqui, te digo, assim diz o Senhor, si tu acreditas, chegarás a ser abençoada, e
darás à luz a outros filhos, para alegria e satisfação de teu espírito, e para
regozijo de teus amigos". 4 A fé de Emma foi recompensada: Em 1836 nasceu
Frederick, e Alexander (meu ancestral direto) em 1838. Em 1840 nasceu Don
Carlos, mas ele morreu quatorze meses mais tarde. Um filho sem nome morreu no
momento de nascer em 6 de fevereiro de 1842; e David Hyrum nasceu em 1844,
quatro meses após a morte de seu pai. Emma não teve uma casa própria até Nauvoo.
Devido à perseguição e para fazer crescer a obra do Senhor, os membros da Igreja
se mudaram de um estado para outro. Emma sofreu muita tribulação. Ela foi
roubada e ridicularizada. Ela e seus filhos freqüentemente passaram fome. Mesmo
assim, ela pôs seu máximo empenho em prover para seus filhos durante as prisões
de Joseph e suas longas ausências. 5. Muitos Santos a ajudaram, mas alguns se
aproveitaram dela, aumentando gravemente suas dificuldades e fazendo com que
perdesse a confiança nos santos dos últimos dias. 6. Enquanto Joseph e outros
líderes da Igreja encontravam-se injustamente presos em Liberty, Missouri, Emma
e seus quatro filhos pequenos passaram a formar parte do êxodo principal da
Igreja que saía do estado depois que a ordem de extermínio foi expedida em 27 de
outubro de 1838 pelo governador de Missouri Lilburn Boggs. 7 Em Quincy,
Illinois, em março de 1839, Emma expressou sua lealdade a Joseph com estas
palavras: "Não tentarei escrever tudo o que sinto pela situação em que você se
encontra, os muros, as barras e os cadeados, a queda dos rios, as rápidas
correntezas, as altas colinas, os vales profundos e as amplas planícies que nos
separam, e sobretudo a injustiça cruel que te levou à prisão e te mantém aí. Se
não fosse que sou consciente de tua inocência e da intercessão direta da
misericórdia divina, estou bem segura que nunca poderia ter resistido às cenas
de sofrimento que tenho atravessado. Mas estou viva e estou pronta para sofrer
mais se for a vontade dos céus. E se Deus não registra nossos sofrimentos e
venha nossos agravos dos quais eles são culpados, eu ficarei triste e
desconcertada. Podes te assombrar da minha redação ruim e maneira incoerente de
escrever, mas perdoarás tudo quando refletir como seria duro para você escrever
quando suas mãos fossem tesadas com o trabalho árduo e teu coração fosse
convulsionado com aintensa ansiedade. Mas espero que venham dias melhores para
nós. Sempre sua, carinhosamente, Emma Smith." 8 A compaixão e o serviço de Emma
A caridade de Emma por um determinado número de Santos doentes e sem lar assim
como também sua caridade para a família de Joseph - seus pais, seus irmãos e
suas irmãs, suas sobrinhas e seus sobrinhos - é legendária. O trabalho de Emma
na Igreja naturalmente incluía atender os assuntos de Joseph em sua ausência e
cuidar dos filhos. Sua compilação de hinos data de 1835, apesar de terem sido
realmente publicados em 1836. Ela continuou compilando os hinos para
acrescentá-los ao hinário até a época em que Joseph morreu. Segundo registros do
Templo de Nauvoo, ela foi batizada por seus antepassados mortos no Rio
Mississipi em 1840. Ela manifestou coragem e inteligência, defendendo Joseph em
sua carta ao governador Carlin do estado de Illinois. 9. Em seu chamado como
primeira presidente geral da Sociedade de Socorro, ela deu mostras de um a forte
liderança. Suas instruções no serviço caritativo estabeleceram a pauta para
gerações demembros da Sociedade de Socorro sob o lema que ela promoveu: "A
Caridade Nunca Falha" (Ver I Cor. 13:8)Emmeline B. Wells, uma contemporânea de
Emma, escreveu dela: " A irmã Emma foi benigna e hospitaleira; Ela desenhou ao
redor de si um círculo de grandes amigos, os quais foram bons camaradas com
gosto. Ela tinha uma natureza maternal pela gente jovem, sempre teve sua casa
cheia para entreter ou ser entretida. Ela foi muito animosa e os irmãos e irmãs
tinham grande respeito. Emma foi um grande consolo para seu marido em todas as
perseguições e as provas extremamente duras e severas através das quais ele
passou. Ela sempre teve disposição de dar-lhe alento e confortá-lo, se dedicou
aos seus interesses e estava o tempo todo com ele sempre que possível. Ela foi a
rainha de seu lar, por assim dizer, e amada pelas pessoas, muitas delas em
dívida com ela por seus favores e bondade". 10 O Profeta escreveu em seu diário,
refletindo sobre a visita de Emma enquanto ele estava em perigo e dificuldade em
1842: "Com que deleite indescritível, e que torrentes de alegria encheram meu
peito, quando peguei sua mão nessa noite, a minha amada Emma - ela que foi minha
esposa, sim, a esposa da minha juventude, e a eleição do meu coração. Muitas
foram as reverberações da minha mente quando pensei por um momento as muitas
cenas que nos havíamos sentido chamados a atravessar, as fadigas e os trabalhos,
os pesares e os sofrimentos, e as alegrias e as consolações que de vez em
quando, tinha espalhado em nosso caminho e coroado nossa união. Oh! Quantas
coisas passaram por minha mente naquele momento, outra vez ela está aqui, mesmo
na sétima aflição - intrepidamente firme e inquebrantável - Emma
inalteravelmente carinhosa!". 11 Selada a Joseph Nos primeiros registros das
investiduras em Nauvoo está documentado que Emma recebeu as sagradas ordenanças
por parte de Joseph, e ela as administrou sob a direção de Joseph a muitas
outras mulheres. 12. Um dos deveres de Emma como a esposa do Profeta era a de
supervisar a participação das mulheres nas ordenanças. Joseph e Emma foram
selados por tempo e pela eternidade e receberam sus sagradas ordenanças do
sacerdócio em 1843. (Ver D&C 132:45-46.) Joseph ensinou que a restauração destas
ordenanças prepararam o caminho para todas as famílias da terra a fim de estar
juntas na eternidade. (Ver Mal. 4:5, 7; D&C 132:4-7, 21-31.)Creio que é no
contexto destas ordenanças que melhor podemos compreender e podemos apreciar o
que Emma escreveu pouco antes de Joseph ser assassinado: "Desejo com todo meu
coração honrar y respeitar a meu marido como meu cabeça, a fim de viver em sua
confiança y atuando em uníssono com ele, a fim de reter o lugar que Deus me ha
dado a seu lado." 13Emma também escreveu, " desejo que o espírito de Deus saiba
y me compreenda, desejo uma mente proveitosa, ativa, que possa compreender os
desígnios de Deus, quando os revele através de seus servos, sem duvidar." 14Sua
grande prova se originou quando o profeta lhe revelou a Emma que eles estariam
obrigados a viver a antiga lei de Abraham - o matrimonio plural -. Emma sofreu
profundamente y teve sentimentos dolorosos por causa disso. Enquanto ela algumas
vezes estava de acordo com a doutrina, em outras ocasiões se opôs à mesma. Anos
mais tarde, Emma supostamente negou que qualquer doutrina a respeito fosse
alguma vez introduzida por seu marido. Em seus últimos anos, Emma aparentemente
nunca falou das sagradas ordenanças que ela havia recebido. Ela teria estado sob
convênio para não fazê-lo.Um estudo cuidadoso y devoto foi essencial para minha
compreensão de que a verdadeira autoridade foi dada a Joseph por parte do Senhor
e que houve quem intentara desmerecer tal autoridade. Em D&C 132:45, o Senhor
diz, " Porque te he conferido as chaves e o poder do sacerdócio, por meio do
qual restauro todas as coisas." Em 5 de outubro de 1843, o Profeta deu
instruções "para colocar a prova a essas pessoas que predicavam, ensinando ou
praticando a doutrina de pluralidade de esposas; A fim de que, segundo a lei,
creio ter as chaves deste poder nos últimos dias; E nunca existe mais de um de
cada vez na terra a quem o poder e suas chaves são conferidos; E constantemente
tenho dito que nenhum homem terá mas sim uma esposa de cada vez, a menos que o
Senhor ordene de outra maneira." 15. Este ponto é confirmado no Livro de Mórmon,
em Jacó 2:27, lemos, " Nenhum homem terá mais que uma esposa." Excetuando, como
diz mais à frente no 30, "Porque si euquiser suscitar posteridade para mim, diz
o Senhor dos Exércitos, ordenarei isso a meu povo; em outras circunstâncias meu
povo dará ouvidos a estas coisas." Jacó 2:30No meu caso, tanto a verdade das
Escrituras e a fonte de opiniões conflitantes estavam claras para mim. Cheguei à
conclusão de que si Joseph fosse um profeta, y sabia que ele era, logo as
doutrinas que ele revelou eram verdadeiras y que os profetas que o sucederam em
autoridade também o eram. Portanto, soube que em 1890, Wilford Woodruff foi
inspirado, como profeta, vidente, e revelador, para publicar o Manifesto
acabando com a prática do matrimônio plural na Igreja. (Ver DO- 1.)Uma Mulher de
Esperança A morte de Joseph ocorreu em 27 de junho de 1844. O êxodo dos Santos
de Nauvoo ocorreu um ano e meio depois deixando a Emma, uma viúva de 41 anos de
idade, com sua sogra envelhecida, Lucy Mack Smith, e cinco crianças, cujas
idades iam dos quinze meses aos quatorze anos de idade sob seu cuidado. Ela
tinha poucos meios para prover a sua família na cidade deserta. Em dezembro de
1847, ela se casou com "o Prefeito" Louis C. Bidamon. Com sua ajuda ela criou a
seus filhos e foi madrasta das duas filhas de Louis. Emma e Louis cuidaram da
mãe de Joseph até que ela morreu em 14 de maio de 1856. Até 1872, "o Prefeito"
Bidamon havia construído uma casa nova para Emma sobre os cimentos onde haveria
sido construído um grandioso hotel (a casa de Nauvoo) se Joseph tivesse vivido
para completá-lo. Emma viveu seus últimos sete anos pacificamente na Mansão
Ribeirinha. Segundo seu comentário na carta, ela viu plenamente assim cumpridas
as promessas dadas por arevelação a Joseph. A referência a estas promessas é
encontrada em D&C 124:59: "Portanto, que meu servo Joseph e sua semente depois
dele tenham lugar nessa casa, de geração em geração, para todo o sempre, diz o
Senhor."Apesar de que a vida de Emma esteve cheia de muita perseguição e pesar,
ainda de amargura em ocasiões, parece ser que Emma resistiu suas tribulações com
grande tolerância e manteve sua fé em Deus. Escrevendo a seu filho em 1869, ela
disse, "tenho visto muitas, sim muitíssimas provas em minha vida que não poderia
ver de onde qualquer bem poderia originar-se delas."Ela acrescentou este
testemunho: "Mas tenho confiança na divina verdade de Deus, de que todas as
coisas serão sempre para o bem." 16Um Testemunho Forte da Restauração Que Emma
manteve seu compromisso de toda a vida a Joseph como um profeta e da
autenticidade do Livro de Mórmon está bem documentado. As minutas da Sociedade
de Socorro de março de 1844 mostram seu raciocínio: "Sim ele, Joseph Smith foi
um profeta, e também o é agora." disse Emma. Vários anos mais tarde, Emma disse
a Parley P. Pratt, quem a visitou em Nauvoo, "creio que ele, Joseph, foi tudo o
que ele professou ser." 17Em reunião com seus filhos, alguns meses antes dela
falecer, Emma afirmou seu testemunho: "Minha crença é que o Livro de Mórmon é de
autenticidade divina. Não tenho a mais leve dúvida disso. Até eu fui uma
participante ativa nas cenas que se desenvolviam, e estive presente durante a
tradução das placas e tive conhecimento das coisas tal e como aconteceram, o
qual é maravilhoso para mim, 'uma maravilha y um assombro' tanto como para
qualquer outro". 18Descrevendo sua experiência, ela disse: "As placas com
frequência estavam sobre a mesa sem nenhuma intenção em ocultá-las, envoltas em
uma pequena toalha de linho que tinha dado a Joseph para cobri-las. Mesmo
cobertas, podia se ver o contorno e a forma das placas sobre a mesa. Pareciam
dobráveis como periódico grosso, y soavam com um som metálico quando as bordas
eram mexidas com o polegar, da mesma forma como quando a gente algumas vezes
folheia as bordas de um livro." Ela também deu seu testemunho, " Eu sei que o
Mormonismo é verdadeiro; E creio que a Igreja foi estabelecida sob direção
divina." O nome de Emma Obscureceu pelo Conflito Com tal testemunho ardente de
seu compromisso para com o Profeta Joseph e do evangelho restaurado, por que
Emma não seus filhos e marchou junto com a Igreja? Por gerações se tem debatido
o assunto, considerando muitos de seus comentários tal e como foram registrados
por outros. Alguns têm suposto que Emma perdeu sua fé, outros têm duvidado de
sua integridade. Estes sentimentos fomentaram o comentário cruel que ouvi anos
atrás enquanto olhava o quadro de Emma.Está documentado que Emma discutiu
rispidamente com alguns líderes da Igreja sobre diversos aspectos da fazenda
deixada por Joseph e que os sentimentos machucados deram lugar a que não se
acertasse o assunto no momento. 19. Além disso, através do exame exaustivo de
materiais, e através de refrear-me de julgar a pessoas envolvidas, tenho
pacificamente compreendido a atmosfera ameaçadora de perseguição que prevaleceu
no momento, algo do vacilo de Emma deveu-se a que ela temeu pelas vidas de seus
filhos. Ela não soube em quem confiar e não houve tempo e nenhuma paz para que
de forma natural sanassem suas feridas. Em fevereiro de 1846, quando a violência
do populacho continuamente ameaçava os membros da Igreja em Illinois e os
oficiais estatais se recusaram a brindar sua proteção, os Apóstolos, sob a
direção de Brigham Young, conduziram os Santos durante o inverno através da
terra selvagem a fim de preparar-se para a longa viagem aooeste. Para Emma,
aparentemente foi uma idéia horrenda pegar seus filhos órfãos outra vez através
do Mississippi congelado sem Joseph. Quando lhe perguntaram muitos anos mais
tarde por que ela não foi pro oeste, ela simplesmente respondeu, "tenha um lar
aqui, não sabia que houvesse algo a mais lá." 20Sua decisão de ficar em Nauvoo
teve efeitos de grande alcance em seus descendentes. José III, quem tinha onze
anos de idade quando seu pai foi morto, se converteu em presidente da Igreja
Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em 1860. Ele morreu em
1914. Alexander se converteu em um missionário e tempo depois, em um conselheiro
na primeira presidência, e finalmente patriarca presidente na igreja RLDS. Ele
morreu em 1909. Frederick, nunca foi batizado, precedendo a sua madre no caminho
da morte aos dezessete anos, morrendo em 1862. Dois anos antes da morte de Emma,
seu filho menor, David, em quem Emma havia encontrado alegria em sua viuvez, foi
diagnosticado que tenha "febre cerebral" e foi posto em reclusão no Asilo
Estatal de Illinois. Emma se referiu à condição de David como um "problema
vivente". 21. David morreu em 1904. Sobreviveu sua filha adotiva, Julia Murdock
Middleton, quem se uniu à Igreja Católica. Ela morreu decâncer com idade de
quarenta e nove, pouco mais de um ano depois de que Emma morrera. 22. Hoje, o
número de descendentes de Emma são mais dois mil, com aproximadamente setecentos
vivos. Encontram-se espalhados por todo o mundo, aceitando muitas ideologias e
diversas religiões. A maioria encontra-se sem os conhecimentos referentes ao
testemunho de Emma e do evangelho restaurado de Jesus Cristo tal e como eu me
encontrava.Uma neta, Emma Belle Smith Kennedy, recorda a Emma: "Seus olhos foram
cafés e tristes. Ela sorria com seus lábios para mim, tão pequena como eu era,
mas nunca vi que seus olhos cafés sorrissem. Perguntei-lhe um dia a minha mãe,
por que vovozinha não sorria com seus olhos como ela e minha mãe me disse que
porque ela tinha um pesar profundo em seu coração." 23Uma mulher que trabalhou
como empregada na casa de Emma, anos mais tarde relatou o fato de que cada tarde
depois que as tarefas estavam feitas, Emma subia as escadas até seu quarto, se
sentava em sua cadeira-de-balanço baixa, e fixava o olhar para fora da janela
para ver o sol se ocultar sobre o rio Mississippi. Ninguém se atrevia a se
aproximar para oferecer-lhe conforto, porque não sabiam como tocar o profundo
pesar que era evidente pelas lágrimas que corriam por seu rosto." 24Nós
poderíamos nos perguntar,"Por que ela chorava?" Foi acaso pela horrível perda de
seu amado Joseph? Acaso lembrava de seus bebês que estavam enterrados em tumbas
tanto na Pensilvânia, como em Ohio, e Illinois? Foi acaso a tragédia de ver a
seu adorado filho menor desesperadamente mal? Era acaso a pena pelos erros que
vieram depois? Foi acaso o pesar pelas decepções que experimentou? Estava acaso
pensando nas incertezas e avaliando o curso que ela havia escolhido, assim como
os pensamentos de como poderia ter sido sua vida si a tragédia e a perseguição
não a tivessem perseguido durante sua vida? Tendo vivido uma vida longa, tal e
como o Senhor lhe havia prometido em sua benção patriarcal, e agora que
aparentemente havia sido humilhada e refinada, Emma considerava cuidadosamente
as perguntas sobre o além da vida. Seu filho Alexander mais tarde informou que
alguns dias antes de sua morte, Emma teve uma visão que lhe revelou suaaceitação
por parte do Senhor. 25Uma Promessa Cumprida Emma viveu quase trinta e cinco
anos depois do martírio de seu marido, o Profeta. Ela morreu em 30 de abril de
1879 aos setenta e cinco anos de idade. Em seus últimos anos ela foi grandemente
amada, e nas últimas horas de sua vida ela foi atendida por sua família: Louis
Bidamon, Julia, José III, e Alexander (26). De acordo com Alexander, Emma
parecia estar indo embora, mas então ela voltou a si e estendendo sua mão,
exclamou, "Joseph! Joseph!" Deixando cair seu braço para trás, Alexander seu
filho, cruzou suas mãos em seu peito, e seu espírito se foi. Tanto Alexander
como Joseph pensaram que ela chamava a seu filho Joseph, mas mais tarde,
Alexander aprendeu mais sobre o incidente. Elizabeth Revel, irmã da moribunda
Emma, comentou que alguns dias antes Emma lhe havia dito que Joseph tinha vindo
a ela em uma visão e lhe disse, "Emma, vem comigo, é hora de que você venha
comigo." Logo Emma continuou contando 'pus meu gorrinho e meu chale efui com
ele; Não pensei que fosse qualquer coisa extraordinária. Fui com ele a uma
mansão, e ele me mostrou os diferentes quartos dessa mansão tão bela.' E um
quarto era para os bebês. Ali, no quarto para bebês havia um bebê no berço.
Então, ela disse, 'Reconheci a meu bebê, mi Don Carlos que foi tirado de mim.'
Ela se inclinou pra frente, e pegou a criança entre seus braços e chorou com
alegria sobre ela. Quando Emma se recuperou o suficiente ela se virou para
Joseph e disse, "Joseph, onde está o restante de meus filhos." Ele lhe disse,
'Emma, tenha paciência e terás a todo teus filhos.' Logo ela viu a seu lado um
ser de luz, o Senhor Jesus Cristo." 27Encontrar este testemunho recordou-me quão
preciosa é cada alma à vista de nosso Salvador, cuja compaixão e cujo poder para
salvar transcendem toda compreensão. Todos nós cometemos erros e necessitamos do
arrependimento. Cada vez que nos retiramos da companhia dos Santos e deixamos de
compartilhar dos sacramentos de forma regular, tendemos a nos afastarmos do
caminho e chegar a ser sujeitos da incompreensão - especialmente se nosso curso
tem sido mudado por alguma ferida verdadeira ou imaginada a nossos sentimentos,
ou o orgulho. Isto poderia ocorrer com qualquer um de nós, incluindo a minha
querida tataravó.Ao refletir sobre tudo o que tenho aprendido da vida de Emma,
sinto grande reverência pelo testemunho que ela manteve da autenticidade divina
do Livro de Mórmon e por sua preciosa visão de Joseph e seus bebês. Seu legado
para nós em seu testemunho final é que, através das ordenanças restauradas pelo
Profeta Joseph Smith, temos a oportunidade de estar com nossas famílias na
eternidade.Sinto-me grandemente agradecida por meus tataravós, por seu
compromisso e seu sacrifício pela obra do Senhor. Amo e aprecio aos missionários
que abriram o caminho para que eu obtivera um testemunho de meu Pai Celestial e
seu Filho, Jesus Cristo, pois apesar de não saber sobre Deus, mesmo assim, havia
desejado ter o conhecimento da verdade durante toda minha vida. Agradeço o ter
podido reconhecer o poder do Espírito Santo, quem iluminou minha mente com o
testemunho: "É verdadeiro! É Verdadeiro!"Cronologia da Vida de Emma Hale Smith10
de Julho de 1804Nasceu em Harmony, Pensilvania.18 de Janeiro de 1827Casa-se com
Joseph Smith, Jr., em Bainbridge, New York.15 de Junho de 1828Seu filho Alvin
nasce e morre; é enterrado em Harmony.28 de Junho de 1830Emma se batiza em
Colesville, New York.Agosto de 1830Emma é confirmada membro Da Igreja de Jesus
Cristo dos Santos dos Últimos Dias.Janeiro de 1831Emma se despede pela última
vez de seus pais.2 de Fevereiro de 1831Chega a Kirtland, Ohio.30 de Abril de
1831Nascem e morrem seus gêmeos em Morley Settlement.Maio de 1831Joseph e Emma
adotam a Julia e Joseph Murdock, os bebês gêmeos de Joseph e Julia Murdock,
depois de que sua mãe morresse de complicações durante o parto.24 de Março de
1832Joseph Smith é ultrajado pelo populacho em Hiram, Ohio; O recém nascido
Joseph é exposto ao frio durante o ataque.27 Arruinan(?) 1832Joseph Murdock
Smith, dez meses mais tarde, morre como resultado da exposição.6 de Novembro de
1832Nasce Joseph Smith III em Kirtland, Ohio.9 de Dezembro de 1834Emma recebe
sua benção patriarcal.1835-1836É publicado o hinário compilado por Enma.O Senhor
disse a Emma " faz uma seleção de hinos sacros." (D&C 25:11.) O hinário foi
compilado em 1835, mas foi realmente publicado em 1836. (Cortesia de Arquivos
SUD.)20 de Junho de 1836Seu filho Frederick Granger Williams Smith nasce em
Kirtland, Ohio.Janeiro de 1838A família Smith foge de Kirtland, Ohio; Viajando
através de Ohio, Indiana, e Illinois.Fevereiro de 1838A família cruza Rio
Mississippi congelado rumo a Iowa.14 de março de 1838A família chega a Far West,
Missouri2 de Junho de 1838Nasce seu filho Alexander Hale Smith em Far West,
Missouri.Novembro de 1838Os líderes da igreja são presos. Joseph é preso na
Cadeia de Liberty . Emma o visita três vezes: em 8 de Dezembro de 1838; em 20
Dezembro de 1838; e em 21 janeiro de 1839.7 de Fevereiro de 1839Emma e sua
família deixam Far West, Missouri.14 de Fevereiro de 1839Emma e seus filhos
chegam a Quincy, Illinois.22 de Abril de 1839Joseph chega a Quincy depois de
quase seis meses de encarceramento injusto em Missouri.9 de Maio de 1839Os Smith
se transladam a Commerce (Nauvoo), Illinois.13 de Junho de 1840Nasce seu filho
Don Carlos.15 de Agosto de 1840O batismo pelos mortos é ensinado por Joseph
Smith; Emma é batizada pouco tempo depois no Rio Mississippi em favor de sua mãe
e sua irmã.7 de Agosto de 1841O irmão de Joseph, Don Carlos, morre.15 de Agosto
de 1841Seu filho Don Carlos, de quatorze meses de idade, também morre.6 de
Fevereiro de 1842Nasce um filho morto, que não recebeu nome.1842A Sociedade de
Socorro é organizada; Emma é chamada como presidenta.Verão/Outono de 1842Joseph
encontra-se escondido. Emma e as crianças estão doentes; Emma quase morre.
Joseph volta para casa para abençoar sua família.17 de Agosto de 1842Emma envia
uma carta em defesa de Joseph ao Gobernador Carlin.18 de janeiro de 1843Uma
grandiosa celebração é levada a cabo na casa de Joseph e de Emma para seu décimo
sexto aniversário de boda e compromisso.Primavera de 1843Joseph se torna
prefeito de Nauvoo.28 de Maio de 1843Emma é selada a Joseph para a eternidade.31
de Agosto de 1843Os Smith se mudam para a casa conhecida como a Mansão. 28 de
Setembro de 1843Emma recebe suas investiduras.Fins de 1843Emma supervisiona as
ordenanças do templo para as mulheres de outubro de 1843 até fins de fevereiro
de 1844.17 de Maio de 1844Joseph aceita a designação para apresentar sua
candidatura à presidência dos Estados Unidos.22 de Junho de 1844Joseph é chamado
para ir a Carthage, Illinois, para responder a acusações; Afrontando a
perspectiva de uma morte certa, Joseph cruza rumo a Iowa seguindo o Rio
Mississippi.23 de Junho de 1844Joseph ey Hyrum decidem ir a Carthage,
Illinois.24 de Junho de 1844Emma e Joseph se vêem por última vez.27 de Junho de
1844Emma serve um jantar para o Governador Ford e sessenta de seus homens na
Mansão de Nauvoo al redor das 5h da tarde. Emma fica sabendo às 10h da noite que
Joseph e Hyrum tinham recebido disparos e tinham sido assassinados.17 de
Novembro de 1844Nasce seu filho David Hyrum Smith.Fevereiro de 1846Emma fica em
Nauvoo quando os Santos saem rumo ao Oeste.12 de Setembro de 1846Emma junto com
sus família deixam Nauvoo quando os assaltantes invadem a cidade; Ela se dirige
a Fulton, Illinois, para regressar, logo, quatro meses mais tarde.23 de Dezembro
de 1847Emma se casa com "o Major" Louis C. Bidamon.1856Emma pega a Elizabeth
Agnes Kendall, órfã de oito anos de idade, e a cria como sua filha.14 de Maio de
1856Morre Lucy Mack Smith, durante os últimos três anos de sua vida havia estado
sob o cuidado de Emma.22 de Outubro de 1856Joseph III se casa com Emmeline
Griswold.1857O sobrinho de Emma, Samuel H. B. Smith, a visita.13 de Setembro de
1857Seu filho Frederick Granger Williams Smith se casa con Annie Marie Jones.6
de Abril de 1860Seu filho Joseph III se converte em presidente da RLDS.23 de
Junho de 1861Seu filho Alexander Hale Smith se casa com Elizabeth Agnes
Kendall.13 de Abril de 1862Morre seu filho Frederick Granger Williams
Smith.1866Emma entrega a revisão de Joseph da Bíblia a Joseph III para sua
impressão.Ao redor de 1870Emma começa a cuidar de Charles de seis anos de idade,
filho de Louis Bidamon e Nancy Abercrombie. (notar que Louis era seu esposo
nesse momento...)10 de Maio de 1870Seu filho David Hyrum se casa com Clara C.
Hartshorn.1871Emma e sua família se mudam para a reconstruída Mansão de Nauvoo,
mais tarde renomeada como a Mansão Ribeirinha.1875Os filhos de Emma deixam
Nauvoo; Alexander se traslada ao Norte de Missouri, e Joseph III a Iowa.1877A
filha adotiva de Emma, Julia, afetada de câncer abandona seu marido, para ir a
viver com Emma.17 de Janeiro de 1877O filho de Emma, David Hyrum é confinado no
Asilo Estatal de Illinois.Fevereiro de 1879Emma dá seu último testemunho em una
reunião com seus filhos. Emma dá seu testemunho de que Joseph Smith foi um
profeta, relata suas experiências com o Livro de Mórmon, e brinda seu testemunho
de sua crença na origem divina do Livro de Mórmon.30 de Abril de 1879Emma morre
aos setenta e cinco anos, no aniversario da morte de seus gêmeos de
Kirtland.Notas1. Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith, (Salt Lake City:
Bookcraft, 1958), pp. 190-91.2. "O último Testemunho de Emma Smith, " fev. 1
Archives of the Reorganized Church of Jesus Christ of Latter Day Saints,
Independence, Missouri (daqui em diante se fará referência a eles como Arquivos
RSUD). Publicado no Saints Herald, vol. 26, p. 289.3. Benção patriarcal dada a
Emma Hale Smith, em 9 de dezembro de 1834, Kirtland, Ohio, Patriarchal Blessing
Book No. 1, Arquivos Da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
(daqui em diante referidos como Arquivos SUD).4. Ibid.5. Ver, por exemplo,
Historia da Igreja, 1:63ff; 3:368-73. Joseph registrou (3:371) " a milícia foi a
minha casa e desterrou a minha família, apropriando-se de toda mi nhá
propiedade.6. Emma Smith a Joseph Smith, 3 de maio de 1837, Correspondência de
Joseph Smith, Arquivos SUD.7. Ver Historia da Igreja, 3:175.8. Emma Smith a
Joseph Smith, março de 1839, Arquivos RSUD ; A ortografia e a gramática foram
atualizadas. Copiado dos Arquivos SUD.9. Joseph Smith, Historia da Igreja,
5:115-17.10. "As mulheres SUD no Passado: Impressões pessoais, " Woman's
Exponent 36 (fevereiro de 1908): 1.11. Joseph Smith, História da Igreja,
5:107.12. Diário de Joseph Smith, e diário de Brigham Young, ambos de 1 de
novembro. 1843; Diário de Heber C. Kimball, 1840-45, Livro 91, p. 114, entrada
de janeiro de 1844, Arquivos SUD ; Ortografia atualizada.13. Benção a Emma Hale
Smith, texto mecanografado, Arquivos SUD . Emma pediu a Joseph uma benção antes
de que Joseph saísse com destino a Carthage . O Profeta lhe disse que escrevesse
a melhor benção que ela pudesse fazer, e que ele a assinaria no seu regresso.14.
Ibid.15. Joseph Smith, Historia da Igreja, 6:46.16. Emma Smith Bidamon a Joseph
Smith III, 1869, Arquivos da RSUD.17. Declaração de Nels Madsen, 27 de novembro
de 1931, Arquivos SUD. (Nels Madsen acompanhou a Parley P. Pratt em sua visita a
Nauvoo.)18. "O último Testemunho de Emma Smith, " fev. 1879, Arquivos da
RSUD.19. "As memórias de Joseph Smith III (1832-1914), " ed. Mary Audentia Smith
Anderson, The Saints Herald, 2 de abril de 1935, pp. 431-34.20. Declaração de
Nels Madsen, 27 de novembro de 1931, Arquivos SUD.21. Emma Smith Bidamon a
Joseph Smith III, 5 de janeiro de 1877, Coleção Lynn Smith, Independence,
Missouri.22. Buddy Youngreen, Reflections of Emma (Orem, Utah: Grandin Book
Company, 1982), pp. 80-81.23. Diário de Emma Belle Smith Kennedy, filha de
Alexander Hale Smith, em posse de Gracia N. Jones.24. Relatado a Gracia N. Jones
em 1980 em Lethbridge, Canadá, por uma mulher que disse, " Durante a Primeira
Guerra Mundial, minha mãe aproveitou para viajar através do meio oeste e foi
hospitalizada em Kansas City, Missouri. Sua companheira de quarto foi uma mulher
de muitos anos que disse que ela havia trabalhado como empregada na casa de Emma
Smith, e ela lhe contou esta historia."25. Alexander Hale Smith, sermão dado em
1 de julho de 1903, Bottlineau, Dakota do Norte; Reimpresso em Zion's Ensign ,
31 de dezembro. 1903.26. Joseph III ao ditar suas memórias recordou que Emma
disse, como si ela voltasse seu olhar fixamente para cima, " Sim, sim, já
vou!"-Como si ela tivesse visto ou ouvido a alguém fazendo sinais ou


chamando-a.27. Alexander Hale Smith, sermão dado em 1 de julho de 1903,
Bottlineau, Dakota do Norte.

3 comentários:

tina disse...

Estou muito feliz de ter conhecido a História de EmmA,APESAR DE NÃO TÊ-LA JULGADO,não compreendia porque ela abandonara a igreja e fundara outra,sei que ela sofreu,sofreu muito e teve incertezas como nós,mas sei que amou e apoiou sei marido!sei que a igreja é verdadeira,tenho dúvidas sobre o casamento plural,mas sei que um dia o Senhor nos dará a conhecer todas as coisas!QUE GRANDE PRIVILÉGIO O SEU,SER DESCENDENTE DELA!se vc tiver orkut me manda um email pra eu te adicionar,o meu é nerestunner@hotmail.com,meu orkut é tinatunner@hotmail.com.br!bjo

quorum de elderes buritis disse...

obrigada por nos ajudar a compreender essa grande,e falha mulher,de Deus,todos nós erramos e somos falhos,quem somos nós para jugarmos as dores de Emma,que o senhor abençoe sua posterioridade. como sempre abençoa.

SORRISO disse...

Este texto foi tirado do site "EmmaSmithMormon.com". É realmente muito bom saber mais sobre esta mulher forte que se manteve do lado de Joseph o tempo inteiro. E esses dias conversando com uma amiga do Instituto de Educação da Igreja, e falavamos sobre o casamento plural; pelo que eu vejo, esta é uma doutrina um tanto difícil de ser aceita entre nós mulheres, mas eu tenho certeza que o Senhor sabe o que faz... E se estamos aqui nesta Terra é porque aceitamos o Plano antes de virmos, e se aceitamos é porque é um Plano em que confiavamos e achavamos correto. Então, vamos ter paciência! (E isso digo para mim mesmo). Obrigada pelo texto. Abraço